Sony Store - FONES
1 mês antes

7 grandes descobertas cientificas

A ciência teve grandes progressos, em vários ramos o mundo foi modificado por essas descobertas.

Material mais antigo da terra

Cientistas anunciaram em um estudo na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Analisando fragmentos de um meteoro que caiu na austrália no final da década de 60, os pesquisadores encontraram vestígios de poeira de 4,6 bilhões a 7 bilhões de anos.

Esse tempo é anterior a formação do sistema solar.

A descoberta indica que no período pode acontecer um baby boom de estrelas novas se formando do universo.

Criação de átomos artificiais

Na Nature Communications, os engenheiros quânticos da australianos são capazes de criar átomos artificiais em pontos quânticos de silício. Pequenos espaços em circuitos de computador quânticos.

Ao contrário dos átomos naturais, esse tipo de átomo feito em laboratório não tem núcleo, apenas algumas camadas de elétrons zumbindo em seu centro.

A descoberta provou ser um método mais estável de usar elétrons como qubits, que são a unidade básica de processamento de dados na computação quântica.

Animal que não respira oxigênio

Parasitas microscópicos que habitam o tecido muscular do salmão mudaram todo o entendimento da biologia animal.

Henneguya salminicola é um organismo de vermes que não consome oxigênio para produzir energia.

A descoberta foi feita por pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, e foi anunciada no PNAS em fevereiro.

Para eles, isso sugere que a evolução pode seguir um caminho contrário ao que as pessoas pensam: formas de vida mais simples, em vez de criaturas mais complexas.

Agora, a pesquisa está tentando determinar como o parasita produz energia anaerobicamente.

Produção em massa de cloroplastos artificiais

Nas células vegetais existe uma organela chamada cloroplasto. É responsável pela fotossíntese, processo físico-químico que converte a luz solar em energia química (glicose), resultando no consumo de gás carbônico e na liberação de oxigênio.

Pesquisadores do Instituto Max Planck na Alemanha anunciaram um novo método de produção artificial de milhares de cloroplastos na edição de maio da Science.

A tecnologia não é muito promissora em termos de produção de energia, mas, porque tem o potencial de ajudar a remover o dióxido de carbono (um gás de efeito estufa) do ar.

“Capela sistina” pré-histórica na Colômbia

Um grupo de exploradores da Columbia e do Reino Unido anunciou os resultados do ano anterior em dezembro.

O sítio arqueológico Serranía de la Lindosa na selva amazônica da Colômbia é coberto por 12 quilômetros de rochas que datam de 12.500 anos atrás.

Essas pinturas representam não apenas cenas humanas, mas também animais extintos, como preguiças-gigantes e mastodontes.

A descoberta foi anônima porque produziu uma série de documentários para a BBC, o que gerou polêmica.

Descoberta dos primeiros embriões de tiranossauro

Os pesquisadores descobriram que os restos mortais do Tyrannosaurus rex eram tão jovens que não haviam saído completamente da casca do ovo.

A descoberta veio de dois sítios arqueológicos diferentes - garras foram encontradas na formação Horseshoe Canyon em Alberta, Canadá, em 2018, e as garras foram encontradas em dois depósitos de drogas em Montana, EUA, em 1983.

Uma análise desses vestígios revelou que eles estavam entre 71 e 75 milhões de anos atrás.

Seu surpreendentemente pequeno tiranossauro tinha cerca de um metro de comprimento, do tamanho de um Chihuahua, mas com uma cauda longa.

Esse comprimento é apenas um décimo de sua espécie adulta e pode ajudar a explicar porque os pesquisadores não encontraram outros espécimes desses pequenos tiranos - a maioria dos cientistas simplesmente não procurou por um predador tão pequeno.

Marte está zumbindo, e os cientistas não sabem exatamente o motivo

Em novembro de 2018, uma nave espacial pousou na superfície gelada e empoeirada de Marte para observar o planeta.

O robô geólogo é chamado de InSight Landing Module e recentemente passou algumas de suas informações de descoberta inicial para a Terra, deixando os cientistas em êxtase em todo o mundo.

Entre essas curiosidades, há um ruído marciano - um zumbido calmo e contínuo que parece pulsar ao som de "martemotos" que sacodem a terra.

A origem do zumbido ainda é desconhecida. Do rugido do vento às ondas enormes na costa, a terra tem muitas dessas vibrações ao fundo.

Mas a reverberação musical de Marte é maior do que a maioria dos zumbidos naturais na Terra. As condições geológicas abaixo do módulo de pouso podem amplificar certos sons ou podem gerar o próprio ruído.

Bruce Banerdt, o pesquisador líder da missão InSight, disse à National Geographic em fevereiro: "Isso é muito interessante.

veja outras descobertas cientificas em nosso site.

View Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked*

Este website usa cookies.