3 meses antes

A Maldição do Orloj

Compartilhe

Orloj é um relógio de estilo gótico do século XIV, que fica na torre da Antiga Câmara Municipal, a torre tem 70 metros de altura, e de lá é possível ter uma vista maravilhosa do centro histórico de Praga.

Orloj tem três componentes principais: uma esfera astronômica, que indica a hora e a posição do sol e da lua; uma esfera com medalhões, que representam os signos do Zodíaco; e um mecanismo que mostra aos espectadores, a cada hora, a procissão dos Doze Apóstolos.

Foi feito pelo relojoeiro Mikulas de Kadan e Jan Sindel, posteriormente professor de matemática e astronomia na Charles University, em 1410.

Este relógio é o terceiro desse tipo, o primeiro foi construído em Pádua (Itália) em 1334.

As desventuras do Orloj

Por volta de 1500, o Orloj foi alterado e modernizado pelo Mestre Hanuz de Ruze, que inseriu os componentes astronômicos que fariam do relógio uma obra única em toda a Europa.

Naturalmente, os vereadores ficaram muito satisfeitos com o trabalho de Hanuz, considerado um gênio por sua habilidade e criatividade.

As pessoas percorriam grandes distâncias para conhecer o relógio e logo o centro de Praga se tornou uma parada obrigatória para os viajantes.

O orgulho dos cidadãos era enorme. Praga tinha o relógio mais bonito da Europa, fato que ninguém contestou.

E começaram os problemas

Foi então que começou a circular o boato de que Mestre Hanuz havia recebido uma proposta para construir um relógio ainda mais bonito em outra cidade.

Dizia-se que Hanuz passava horas desenhando e fazendo cálculos para a construção de uma obra ainda maior.

Então os vereadores resolveram se reunir e pensar em uma solução para o assunto.

Eles planejaram oferecer dinheiro ao mestre para que ele não fizesse outro relógio tão grande ou maior.

Eles consideraram apelar para o senso de patriotismo do Mestre, mas concluíram que a proposta que haviam feito a ele para outro relógio era irrefutável.

Soube-se então que mais cedo ou mais tarde Hunuz faria outro relógio.

Então, um dos vereadores, um homem conhecido por seu coração perverso e marcado pela crueldade, ofereceu uma solução que a princípio chocou os demais.

Era um plano sinistro, mas um conselheiro após o outro estava gradualmente percebendo que seria a única opção para garantir que o Relógio de Praga permanecesse exclusivo.

O relógio e o mestre

Uma noite, Mestre Hanus estava sentado em sua oficina, observando alguns de seus planos e esquemas.

Como já era tarde, seus ajudantes e servos já haviam partido e Hanuz estava sozinho.

Lá fora estava chovendo, mas Hanus estava dentro de sua casa com a lareira acesa e seus pensamentos dentro de seus cálculos.

De repente, houve uma batida seca na porta da frente e eles disseram "Abra, estamos com pressa!"

O Mestre correu para a porta e olhou para fora. Ele percebeu que três homens grandes vestidos com máscaras estavam lá.

Antes que eu pudesse perguntar o que eles queriam, eles empurraram a porta e forçaram a entrada arrastando o relojoeiro para a oficina. Lá eles amordaçaram o Mestre e amarraram suas mãos com uma corda.

Dois dos homens o seguraram com força enquanto o terceiro ventilador atiçava o fogo, colocando uma adaga nas chamas com um cinto preso.

Ele a deixou lá até que o calor a fez brilhar em vermelho. Percebendo o que os homens queriam, Mestre Hanuz tentou lutar, mas eles o atacaram até que ele perdesse a consciência.

Hanuz acordou horas depois, em agonia insuportável. Ele percebeu que estava deitado em sua própria cama, podia ouvir a voz de seu assistente e os gritos de seus servos e amigos, mas viu apenas escuridão.

Os homens arrancaram seus olhos. Por muito tempo, o brilhante relojoeiro permaneceu deitado, doente e delirante, passando dias e noites em um estado miserável. Sua visão foi perdida para sempre.

O início de um mistério

Quando ele ficava um pouco melhor, ele se sentava no estúdio e pensava consigo mesmo: "Quem poderia ter feito uma coisa tão terrível comigo e por quê?" Ele não tinha inimigos e todos o admiravam por suas obras, que tanto orgulhavam o povo de Praga.

As pessoas o visitavam e lamentavam o que havia acontecido, vinham os mais pobres e os mais ricos, os mais próximos e os mais distantes, e todos lamentavam a tragédia.

Um dia, dois vereadores vieram lamentar o triste destino do Mestre Hanuz, que disse: "Uma tragédia, uma tragédia sem sentido". Mas, ao saírem de casa, a jovem assistente do relojoeiro ouviu a dupla se parabenizando pelo trabalho bem executado.

O menino ouviu quando um disse ao outro que agora não havia mais o risco de mestre Hanuz criar um relógio astronômico para outra cidade além de Praga. Devastado, o menino procurou seu Mestre e contou o que ouviu.

E assim o brilhante relojoeiro descobriu quem ordenou que seus olhos fossem arrancados.

Ele não sentia mais dor, apenas uma profunda amargura e um desejo de desaparecer de uma vez por todas. Depois da amargura, veio a raiva e o desejo de vingança.

O Mestre pensou em uma forma de se vingar daqueles homens terríveis e planejou o que iria fazer.

Um dia ele disse a seu fiel assistente que gostaria de ir ao prédio da Prefeitura para pelo menos ouvir o som de seu querido relógio e sentir as delicadas engrenagens em funcionamento.

Os vereadores ficaram intrigados quando ele chegou, mas acabaram concordando em dar-lhe acesso ao seu trabalho.

Quando Hanuz parou diante do mecanismo gigantesco, ele começou a ouvir o funcionamento da máquina perfeita de metal e madeira que ele conhecia tão bem.

Embora cego, ele podia sentir todos os mecanismos complexos nos quais havia trabalhado, cada pequena parte, cada disco, mola e conexão.

E então, sem qualquer aviso, o Mestre saltou para o delicado mecanismo, do tamanho de um grande órgão de igreja. Imediatamente seu corpo foi esmagado pelas engrenagens que começaram a quebrar e quebrar.

O relógio começou a arranhar e tremer, até que os sons desapareceram lentamente até que houve apenas um silêncio ensurdecedor. O último som do relógio silenciou com o coração de Hanuz.

No bolso do Mestre descobriram uma carta onde ele relatava o que havia acontecido e o povo se revoltou com a crueldade dos vereadores, exigindo que fossem presos e punidos.

Os nobres, ele aceitou o pedido e cada um dos conspiradores foi jogado na masmorra onde nunca veriam o sol brilhar. Além da prisão, chumbo derretido foi derramado em seus ouvidos para que nunca mais ouvissem.

E ao longo dos anos que viveram, o silêncio terrível era uma lembrança contínua do crime que haviam cometido.

O famoso relógio parecia estar quebrado para sempre. Demorou muitos séculos para que surgisse alguém capaz de compreender a complexidade do mecanismo e restaurar seu brilho anterior.

Curtiu? Compartilhe na suas redes e comente o que achou.

View Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked*

Este website usa cookies.