1 mês antes

Dilúvio - a ira dos deuses ao redor do mundo

Compartilhe

Ao redor do mundo, em várias civilizações com origens diferentes e crenças distintas, existe um conto que se repete: A destruição da raça humana por meio de um diluvio.

Ele pode ter acontecido de varias maneiras, desde chuvas causadoras de enchentes ah ondas marinhas gigantes ou simplesmente o afundamento de um continente inteiro.

De qualquer forma é sempre uma tragédia causada por um deus ou por deuses para punir os humanos que faltaram com a moral, desrespeitaram suas religiões ou desobedeceram regras claras.

Para além da versão bíblica, existem relatos ainda mais antigos, da era mesopotâmica de atrahasis e gilgamesh. Isso inclui o conto hindu de Manu, o grego Deucalião e o inca Viracocha.

Ainda existem versões nórdica, egípcia, irlandesa, chinesa, aborígene australiana, polinésia maia, muiscas, mapuches e hopis.

Outro detalhe que sempre se repete é o fato de nunca representar o fim total da humanidade, de alguma forma sempre sobrevive alguém para reiniciar a humanidade após à terra ser limpa de todos os "pecadores".

De modo geral, as pessoas têm três visões sobre o dilúvio:

  • Acreditar que é uma grande lenda e que nunca aconteceu
  • Foi transmitido por fé religiosa e por isso deve ser real
  • Acredita-se que pode ter acontecido vários pequenos eventos reais que foram ampliados e mistificados ao longo do tempo.

Vamos conferir as versões mais famosas desse conto:

Diluvio mesopotâmico de Athahasis

Datado de 1750 a.C. é a versão mais antiga do dilúvio. Foi gravada em pedras cuneiformes em acadiano, antigo idioma babilônico. Atrasis, que significa "extremamente sábio" é o protagonista desta versão. Ele está na lista de reis sumericos.

Enlil, deus do vento, ficou descontente com a superpopulação e decidiu desturir a raça humana usando o diluvio. Enki, o deus da agua, conta o que vai acontecer para Atrasis, e deu a ele uma ordem, derrubar a casa e com ela construir um barco de tres andares e com um teto, o barco deveria ser vedado com betume.

Atrahasis deveria entrar no barco com sua família e alguns animais. A tempestade começa violenta e até os deuses se assustam, apos 7 dias de pura chuva, eles param, a água baixa e assim que sai do barco, atrahasis oferece um animal em sacrífico aos deuses.

AO tablete mesopotamico onde conta a história, foi completamente traduzido em 2014. O escrito de 60 linhas contraria a versão bíblica. Segundo as descrições mesopotâmicas, o barco era arredondado, tipo comum na região, com a diferença apenas no tamanho.

O tablet informa ainda que a arca foi construída com madeira, corda e tecidos. com uma grossa camada de betume.

Diluvio mesopotâmico de gilgamesh

Essa historia apareceu fragmentada, em escritos acadianos. Conta a história do deus Gilgamesh, um rei sumério que conhece utnamishtim, o homem imortal e justo.

Utnamishtim é como o noé biblico. Gilgamesh fica curioso apra saber como aquele homem se tornou imortal e lhe pergunta o segredo da sua vida eterna.

Utnamishtim conta como um diluvio causado pelo deus das aguas deu fim a humanidade transformando todos em barro. ele sobreviveu por seguir ao pe da letra as instruições que lhe foram entregues pelo deus EA.

Entre as instruções estava levar todo tipo de animal dois a dois. Outro fato curioso é que para checar se água havia baixado ele solta uma pomba que não encontra nada, depois uma andorinha que tambem volta sem resultados, mas quando tenta um corvo, este sim consegue encontrar alimento, faz um voo ao redor da arca e grasna avisando que já é seguro descer.

Diluvio bíblico

Os hebreus eram um povo com origem de campo, pastores há mais de 4 mil anos. viviam aos redores da mesopotamia o que pode explicar alguns detalhes da historia.

No período de 1800 a.c o conto de Atrahasis já era conhecido como tradição oral, o que pode revelar como um povo que só trabalhou com animais e plantas tinha conhecimento maritmo para colocar em seu conto.

Isso tambem torna toda a história do dilúvio universal compreensível, já que inundação não era uma preocupação para um povo que sempre esteve longe do mar.

Os livros do velho testamento não dão datas aos acontecimentos o que dificulta saber quando aconteceu algo. Porem especialistas acreditam que o livro de Gênesis foi escrito por dois autores entre os seculos VIII e VI antes de cristo. As datas bateriam com o tablete de Gilgamesh. Porem nessa época o reino de Israel foi destruído e Judá estava sob o domínio de Nabucodonosor, rei babilônico.

Segundo o Gênesis, a arca de Noé teria 133,4 metros de comprimento, 22,3 metreos de largura e 13,4 metros de altura. Estima-se que o navio teria aproximadamente o mesmo tamanho do titanic.

As divisões em três partes pode referir a uma antiga crença de três partes do mundo, o céu, à terra, e o subterrâneo. O material usado foi a madeira de Gopher, essa é a unica vez que esta palavra se encontra na biblia, até hoje os especialistas tentam descobrir a que arvore se reveriam os escritores.

O dilúvio bíblico esta não apenas nos escritos bíblicos como no alcorão. A história se espalhou pela região ocidental e até hoje margem a centenas de pesquisas arqueológicas em busca de alguma prova da existência dessa magnifica construção.

O dilúvio na mitologia grega

Ironicamente Zeus queria destruir os homens por causa de seus vícios e perversidade, então enviou para seu irmão o pedido para causar um dilúvio. Poseidon, deus dos mares, fez todas as águas subirem e engolir casas, humanos e animais.

Prometeu, contou a seu filho Deucalião e a sua mulher PIrra, o que estava para acontecer. o casal foi instruido a fazer uma arca e ficar nela por 9 dias. quando as aguas pararam eles encalharam em uma montanha.

Zeus enviou até eles, Hermes para conseder ao casal um desejo, e eles pediram para que a humanidade fosse refeita. foi lhes dado a ordem para atirar os ossos de sua mae para tras.

Pirra indignou-se e reclamou da profanidade que isso seria. Mas Deucalião entendeu o recado, os deuses falam por metáforas, assim sendo a mãe referente era a terra.

O casal pegou pedras e passaram a jogar para trás, das que Deucalião jogou, vieram os homens, as que Pirra jogou vieram as mulheres.

Quer ver outras histórias? continue lendo os contos do blog360.

View Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked*

Este website usa cookies.