Sony Store - FONES
1 mês antes

O bizarro mistério de Oslo

Era uma quarta-feira, 31 de maio de 1995, às 10h44, quando uma mulher cruzou a entrada do antigo Oslo Plaza Hotel, localizado na capital da Noruega.

Ela não era muito alta, tinha cerca de 1,60 m de altura, era branca, tinha olhos azuis, cabelos pretos e muito curtos.

Ela deu o nome de Jennifer Fairgate, mas não apresentou passaporte ou outro documento que pudesse identificá-la corretamente.

A mulher também forneceu um endereço belga na cidade de Verlaine para a funcionária registrar em seu arquivo com seu número de telefone e outras informações adicionais.

Ela falou com ele em inglês e alemão, mas sem sotaque nas duas línguas. O homem deu a Fairgate o quarto 2.805, após o qual ela não foi mais vista.

Em 3 de junho, exatamente às 8 horas e 4 minutos, uma funcionária do hotel foi ao quarto de Fairgate para pedir um número de cartão de crédito ou outra forma de pagamento quando ouviu um tiro, que reverberou por todo o hotel. Foi o começo de um mistério.

A mulher sem nome

Ninguém teve coragem de entrar no quarto 2805 para descobrir o que havia acontecido.

No entanto, todos os funcionários ficaram parados na entrada do Oslo Plaza Hotel até a chegada da polícia, aproximadamente 15 minutos após o tiroteio.

Quando as autoridades entraram na sala, encontraram a mulher deitada, vestida apenas da cintura para cima em sua cama, com um revólver na mão e uma bala alojada em seu crânio.

A princípio, devido às aparentes circunstâncias, todos concordaram que se tratava de uma cena clássica de suicídio, mas o cenário mudou rapidamente.

A polícia descobriu que o nome Jennifer Fairgate era tão falso quanto o endereço belga que a mulher forneceu durante o check-in junto com as outras informações.

No quarto, havia sangue na cama, no travesseiro, no telefone próximo, na mesa e na parede, mas não havia uma gota nas mãos da mulher.

A porta havia sido trancada por dentro duas vezes (o que poderia indicar suicídio), mas a cena era clara evidência de assassinato. E como o assassino escapou? Não havia varanda na sala e nenhum suporte para ajudá-lo durante sua fuga.

Quem matou Jennifer Fairgate? O funcionário que atendeu a mulher disse que um homem chamado Lois Fairgate ficou com ela, mas seus dados no arquivo estavam incompletos e aparentemente nenhum outro funcionário o viu nas instalações. Com isso, a polícia tropeçou na pergunta: quem era Jennifer Fairgate?

A investigação da cena do crime não encontrou produtos de higiene pessoal que pudessem fornecer evidências de DNA, havia apenas um frasco de colônia masculina e evidências de que alguém havia tomado banho pouco antes do assassinato.

Não havia impressões digitais em nenhuma superfície, e a numeração do revólver, uma pistola Brown 9 calibre, havia sido removida profissionalmente com ácido. As etiquetas de todas as roupas de Fairgate foram cortadas e eles não encontraram nenhuma maneira de identificá-la.

De acordo com a chave eletrônica do quarto 2805, no dia 1º de junho, uma quinta-feira, às 8h34, a mulher saiu do quarto uma vez e demorou cerca de 20 horas para retornar. Um funcionário da limpeza disse que encontrou o quarto completamente vazio durante esse tempo.

A conspiração de um mistério

Um esboço foi feito de Fairgate, bem como centenas de testes em seu cadáver. Seu suposto nome não estava registrado no banco de dados do governo norueguês, e seu rosto, aparentemente, não era compatível com nenhum outro, ou seja, a mulher não existia em lugar nenhum.

A autópsia revelou apenas que Fairgate tinha um tratamento dentário sofisticado com ouro e porcelana que poderia ter sido feito nos Estados Unidos ou na Europa Ocidental. Fora isso, não havia nenhuma pista mais relevante.

Rapidamente, surgiu uma forte teoria de que a mulher poderia ter sido uma espiã assassinada por mandato de alguma organização, governamental ou não.

Embora a proposta parecesse um pouco sensacional, todos os aspectos do comportamento de Fairgate apontavam para essa possibilidade, como o uso do nome falso, a falta de etiquetas em suas roupas e evidências de DNA.

Além disso, aquele hotel em Oslo era famoso por ser o epicentro de grandes encontros políticos, que só cooperavam para alimentar as suposições.

Em 26 de junho de 1996, após entrar em um beco sem saída, a polícia decidiu enterrar Jennifer Fairgate em uma vala comum sem identidade.

Migalhas ao longo do caminho

Em 2016, o corpo da desconhecida foi exumado para que fosse realizado um teste completo de DNA e que os restos mortais fossem submetidos a todo tipo de tecnologia.

Um estudo de seus dentes mostrou que ela tinha cerca de 24 anos quando morreu e era descendente de europeus, provavelmente de algum lugar da Alemanha, onde teria vivido até os 15 anos. Apesar disso, a identidade de Fairgate permanece desconhecida.

O jornal norueguês VG investigou o caso para tentar encontrar pistas que passaram despercebidas pela polícia na época. Revisando as evidências, eles descobriram que a pistola Brown 9 calibre encontrada com Fairgate era normalmente usada para fins policiais e militares, embora fosse popular entre os criminosos.

Um especialista em armas, em entrevista ao jornal, disse que a arma provavelmente era uma cópia do Brown original.

Até hoje, há um mistério em torno dos últimos passos de Jennifer Fairgate, cuja história é comparada ao curioso caso da sala 1046 e da esposa de Isdal.

Curtiu esse mistério? confira outros em nosso site.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked*

Este website usa cookies.