3 meses antes

O que aconteceu com Joan Risch - a garota perfeita?

Compartilhe

Por 60 anos, todos fizeram a mesma pergunta sobre Joanne Risch (Joan Risch), quando ela desapareceu em uma tarde comum, deixando apenas um grande mistério absurdo.

A louca história de Joanne

Nascida no Brooklyn, Nova York, EUA, em 12 de maio de 1930, sua infância foi repleta de infortúnios. Seus pais morreram de incêndio criminoso quando ela tinha 10 anos.

Ela foi assediada e abusada sexualmente enquanto vivia com parentes, mas nunca revelou quem era o agressor.

Seu tio a adotou oficialmente e só saiu de casa quando ela pôde viver de forma independente. Isso foi depois que ela se formou em Literatura Inglesa no Wilson College, na Pensilvânia, em 1952.

A vida perfeita

Dois anos depois, Joanne conheceu seu futuro marido, o empresário Martin Risch, e ela teve dois filhos: Lillian e David.

A mulher então deixou o emprego como assistente editorial e começou uma família, e eles se mudaram para uma casa grande para uma família de classe média em Old Bedford, Lincoln, Massachusetts.

A mãe adotiva de Risch, Alice Nattrass, admitiu: “Acho que eles estão muito felizes porque têm uma bela casa, dois filhos adoráveis ​​e são agradáveis companheiros.”

Credit: Massachusetts State Police.

Os vizinhos e amigos também chamaram o casal de “perfeito” “Família incrível”, embora muitas vezes tivessem pequenos conflitos no seu dia-a-dia; a verdade não só se pareciam perfeitos, mas de fato eles eram assim, algo que qualquer um percebia só de ver a família reunida.

Enquanto cuidava da família e dos filhos, Joan Risch participou de um grupo de eleitores que tinham como objetivo trazer as mulheres para a área política e começou a encontrar maneiras de se tornar uma professora, assim conseguiria para compartilhar seu amor pela literatura.

Para onde você foi Joan?

Martin Risch se tornou um executivo na empresa Fitchburg Paper Company, e passou a fazer muitas viagens a negócios. Assim, em 24 de outubro de 1961 ele fez mais uma viagem de rotina, saiu cedinho para pegar o voo das 8h para Nova York e deixou a família em casa.

Joan Risch levou Lillian, de 4 anos, ao dentista e voltou para casa por volta das 11h após fazer compras para o almoço.

Vizinhos que viram a mulher e os filhos testemunharam que eles pareciam muito alegres, apesar de cansados da manhã movimentada.

As últimas aparições de Joan - O relato dos vizinhos

As 11:15 da manhã, Barbara Baker relatou que viu Joan Risch vestindo um casaco e carregando um objeto vermelho, mas ela não sabia o que era. Às 15 horas, quando Virginia Keene, filha de um dos vizinhos dos Risch, desceu do carro, viu um carro desconhecido estacionado na garagem da família.

Às 15h40, Barker levou Lillian para casa porque etinha levado a criança para fazer compras, mas a mulher não entrou na casa.

Às 4:15 da tarde, ela encontrou Lilian em sua portam a menina com um olhar triste disse: "Mamãe sumiu, a cozinha está cheia de tinta vermelha". Baker foi à casa de Risch e deu de cara com uma cena terrível: as paredes estavam manchadas de sangue e havia uma pequena poça no chão da cozinha.

Havia um rastro sangrento que levava até o berço de David, o qual chorava porque precisava de uma troca de fralda. Tinha sangue respingado que levava até o porta-malas do carro de Risch. Às 16h33, a polícia foi acionada.

A equipe de investigação destacou que, embora não houvesse registro da ligação, o telefone havia sido arrancado da parede e jogado na lata de lixo, junto com uma lista telefônica aberta com números de emergência.

Joan, Lillian and David.

Além disso, havia uma mesa virada e um rolo de papel que foi virado, mas nada foi derrubado ou roubado. Exceto pelas manchas de sangue, tudo estava impecável.

Portanto, eles descartaram a possibilidade de lutar. Além disso, a ausência de manchas de sangue interessa a todos, principalmente ao fato de haver apenas uma impressão digital em uma das paredes com impressão digital desconhecida.

No entanto, o médico legista confirmou que o sangue ao redor da casa era do mesmo tipo de Joan Risch, mas como não registraram as impressões digitais, não puderam confirmar se o sangue pertencia à mulher.

A polícia descartou a possibilidade de sequestro e, apesar da falta de corpos e evidências que sustentassem essa teoria, o assassinato tornou-se a única possibilidade.

Depois que o caso chegou à mídia; Sareen Gerson, um repórter investigativo do jornal local Fence Viewer, fez uma descoberta interessante.

De acordo com registros de bibliotecas próximas, nos últimos meses, Risch pegou emprestado cerca de 25 livros sobre assassinatos e desaparecimentos; na lista estava incluido "The Hunt of Richard Thorpe" e "Into Thin Air', que conta a história de uma mulher que implantou sangue antes de desaparecer.

Apesar de tudo, Joan Risch não deixou seus filhos completamente sozinhos, nem causou danos ao expô-los a uma falsa cena de crime. Existem poucas oportunidades para uma mulher com filhos sumir sem deixar rastros.

Por causa dos carros desconhecidos na garagem e das latas de cerveja nas latas de lixo, acreditava-se que ela tinha um amante, porem não existia provas disso.

Os investigadores revistaram sua vida em busca de outra família ou um possível amante mas ninguém foi encontrado, seu unico relacionamento foi de fato com Martin Risch seu marido. Aborto ou acidentes familiares também foram considerados, mas todos foram descartados.

Eles ainda tentaram entender porque o sangue foi lavado em todas as partes da casa, como se alguém estivesse tentando minimizar ou mesmo remover essas marcas.

Na tarde de 24 de outubro de 1961, o que aconteceu com Joan Risch era a pergunta que rodava por todos os lados?

No final, não havia provas suficientes para apontar para algum lugar especifico, então o caso foi fechado como inconclusivo.

Sem provas de morte, sequestro, ou fuga, sem provas de uma vida infeliz ou de maus tratos. O caso acabou como varias perguntas sem resposta.

Martin Risch foi para o túmulo em 2009 e tinha fé total que sua esposa retornaria para casa, ele não trocou o numero de telefone e dizia que ela ia retornar. Martin criou uma teoria de que sua esposa sofreu algum tipo de aminesia mas isso não a deixaria longe dele por muito tempo.

Ele nunca mudou um único detalhe da casa, e apesar de ter recebido inúmeros trotes ao longo da vida, continuava se recusando a sair de seu lar. Até a data de sua morte, Martin se recusou a declarar que sua amada estava morta. O que só foi possível de declarar apos o falecimento dele.

Joan se tornou a mulher responsável pelo maior mistério do século XX. A história da garota perfeita terminou com uma grande interrogação.

Curtiu a história? O que acha que aconteceu com ela? comente e compartilhe em suas redes.

View Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked*

Este website usa cookies.